O apocalipse chegou e ninguém notou!

A saúde, ainda que os laboratórios nos prometam e já sinalizam com a vida eterna, ainda nos ressentimos dás; pandemias, endemias, epidemia e agora a “sindésmica”. Parece um caos, entretanto, aos humanos resistem as mutações biológicas e não se cansam, de superar-se.

A saúde mental também acelera seus efeitos; narcóticos, vícios leves e dependências dos jogos virtuais, que já acenderão a luz vermelha dá, OMS – Organização Mundial de Saúde.

A ocupação funcional começa lentamente a ser notada, substituída pelos “home office” e por um exército de robôs que não erram, não faltam e não pedem aumento salarial. Acelerando sorrateiramente o desemprego.

A na terra, um número enorme de pessoas ignorantes, que se submetem por falta de informações e oportunidades a, escravidão social denominada de ação social, através da cota racial que deveria ser chamada de cota irracional e da bolsa família “alimentar”. Outros entulhos parasitários enganam, incorporam e anestesiam o contingente de empregados obrigados a se sindicalizar e de forma indireta estes sindicatos defendem; o 13º, as férias remuneradas, o FGTS e a redução das horas de trabalhos.

Silenciosamente a redução da população de nosso planeta acontece; nos países desenvolvidos, pela natural esterilidade imposta por uma água contaminada de cloro e alimentação nociva e continua premeditada. Abrindo os braços para uma emigração reprodutora, para evitar a extinção das culturas regionais.

Ainda que tudo tenha solução racional e tecnológica, os encastelados, doutrinados, e medíocres religiosos pretextem para o retardamento de suas míopes conquistas religiosas anãs, transvestidos de alto clero. Insistindo em financiar as guerras sem causas, apenas para desestabilizar o avanço cultural e tecnológica do ocidente. 

Passou do ponto, o momento de uma constituição global. A não se entender, ou compreender o perigo eminente da extinção humana, justiça-se uma intervenção maior e global antes que um louco, de forma teocrática ou monocrática, aperte o primeiro botão. 

Agenor Candido – 11/01/2024

Deixe um comentário